Bem vindos! Trânsito Social é um espaço criado com o intuito de possibilitar a reflexão sobre a responsabilidade social que temos no trânsito, enquanto figuras ativas deste fenômeno e manter você informado sobre as principais notícias e assuntos que estão ligados direta ou indiretamente ao tema Trânsito. Você é nosso convidado a participar. Deixe seus comentários, sugestões e opiniões. Trânsito é Responsabilidade Social.

Responsabilidade Social diz respeito ao cumprimento dos deveres e obrigações dos indivíduos e empresas para com a sociedade em geral. É um conjunto de conceitos e ações que contribuem para fazer um mundo melhor com a participação de todos. É na decisão individual e cotidiana que se fará a efetiva responsabilidade social. Quando assumimos o papel de cidadão, integrante e responsável por esta sociedade, atitudes simples, como por exemplo, descartar o papel na lixeira, ser um condutor educado, que respeita as leis de trânsito, entre outras atitudes que devem ser tomadas, refletem o comportamento adequado para que a responsabilidade social no trânsito seja alcaçada.
Loading...

Pesquise no blog

Carregando...

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Obrigatório sistema ABS e CBS para motos a partir de 2016


O CONTRAN publicou no dia 09/12/2014 a RES. 509 que trata da obrigatoriedade do uso de sistema antitravamento ABS e/ou do sistema de frenagem combinada CBS das rodas, nas motocicletas, motonetas, triciclos e quadriciclos.

Os veículos fabricados com potencia igual ou inferior a 300 cilindradas poderão optar pelo sistema CBS ou ABS.

Já os veículos fabricados com potencia acima de 300 cilindradas serão obrigados a sair e fábrica com o sistema ABS.

As fábricas/montadoras deverão no mínimo atender as datas estipuladas pelo CONTRAN.

I - a partir de 1º de janeiro de 2016: 10% da produção ou importação;
II - a partir de 1º de janeiro de 2017: 30% da produção ou importação;
III - a partir de 1º de janeiro de 2018: 60% da produção ou importação;
IV - a partir de 1º de janeiro de 2019: 100% da produção ou importação.

Clique aqui e acesse a resolução na íntegra.

fonte: denatran.gov

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Teste de Estrutura com: Volkswagen Passat 2014

Veja como o Volkswagen Passat 2014 se comporta em uma colisão a 64 Km/h.

video

fonte: youtube.com

Teste de Estrutura com: GOL TREND 1.6 SEM AIRBAG

Veja como o Gol Trend 1.6 sem Airbag se comporta em uma colisão a 64 Km/h.

video

fonte: youtube.com

Teste de estrutura com: Smart fortwo 2014

Veja como o novo Smart fortwo 2014 se comporta em uma colisão a 64 Km/h.

video

fonte: youtube.com

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Aumenta pena para crimes de trânsito

Projeto aumenta pena para crime de homicídio na direção de veículo


A Câmara analisa o Projeto de Lei 7623/14, do deputado Arolde de Oliveira (PSD-RJ), que aumenta de 4 para 10 anos a pena máxima para o crime de homicídio culposo na direção de veículo automotor. A pena máxima se aplica se o motorista estiver sob efeito de álcool ou drogas ou estiver participando de racha.
A proposta também cria a figura da “culpa gravíssima”, que é intermediária entre o crime culposo (sem intenção) e o doloso (com intenção). Atualmente, esses casos intermediários têm sido enquadrados em dolo eventual, que se caracteriza quando o agente causador do dano assumiu o risco.
A culpa gravíssima aumenta a pena máxima para o crime de lesão corporal culposa na direção de veículo automotor – de 2 para 5 anos.
Rachas
Em relação aos rachas, a proposta cria uma penalidade intermediária (2 a 4 anos de prisão) se este ocorrer antes das 2h da madrugada; na proximidade de locais de constante ou transitória circulação elevada de pessoas, como instituições de ensino em geral, creches, hospitais, eventos esportivos ou de entretenimento, ou quaisquer outros; ou em circunstâncias que possam indicar que houve prévio ajuste ou 
organização premeditada. 

A pena para o racha simples (sem vítimas) permanece sendo detenção de 6 meses a 3 anos. Se houver lesão corporal grave, sobe para reclusão de 3 a 6 anos, como já está previsto hoje no Código de Trânsito Brasileiro.

O autor afirma que sua proposta busca o equilíbrio e segurança jurídica da legislação dos crimes de trânsito. Ele critica a recente lei que agravou as penas dos rachas.
Tramitação
A proposta será analisada pelas comissões de Viação e Transportes; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Em seguida, irá para o Plenário.

fonte: camara.leg.br

Proibido pedágio em rodovias inacabadas

Comissão aprova proibição de cobrança de pedágio em rodovias inacabadas.


A Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei1774/11, do deputado Onofre Santo Agostini (PSD-SC), que proíbe a cobrança de pedágio em rodovias que ainda estejam em obras.
Pelo texto, a cobrança de pedágio somente poderá ter início após a conclusão de obras que estiverem em andamento.
A proposta foi aprovada na forma de substitutivo do relator, deputado Diego Andrade (PSD-MG), que incluiu no texto do projeto original a ressalva de que as obras ocasionais e emergenciais, destinadas à manutenção de trechos das rodovias, não estão na proibição da cobrança de pedágio.
Além disso, também foram excetuadas as obras de manutenção ou conservação habitual, desde que tenham data de início e conclusão programadas pelas empresas responsáveis por sua execução.
Segurança para trafegar 
Para o deputado Diego Andrade, o pagamento de pedágio em rodovias somente se justifica quando os usuários têm à disposição boas condições de infraestrutura e segurança para trafegar. "A ideia é que se pague o pedágio só quando o trecho ficar pronto. Na realidade, o projeto não prevê que toda a rodovia deva ficar pronta [para que se possa realizar a cobrança], mas só pode cobrar pedágio do trecho que ficar pronto. Não podemos permitir que o cidadão pague pedágio por um trecho de rodovia inacabado. Não é justo com o cidadão. Ele se sente lesado."

Diego Andrade comentou também sobre a necessidade de ampliação de Parcerias Público-Privadas (PPP), que possam manter as principais rodovias do País. "A maior parte das concessionárias conseguem, em parceria, manter as rodovias em melhores condições de uso. O que a gente precisa é manter um custo baixo para os pedágios - respeitando o cidadão -, e cobrar pedágio somente quando a obra estiver acabada."
Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e segue para análise das comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

fonte: camara.leg.br

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Condição Adversa: Fumaça

Ten. do Corpo de Bombeiros Militar de Chapecó-SC, dá orientações de como proceder nessa situação.

video

fonte: youtube.com

Carga indivisível retida pela PRF

A PRF de SC impediu que veículos transitando com carga em excesso de dimensão (indivisível) continuasse sua viagem devido a falta de licença.

video

fonte: youtube.com

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Você usa o celular dirigindo?


De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, dirigir falando ao celular é considerado uma infração média, equivalente a jogar lixo na rua ou andar com o braço para fora da janela. Em entrevista para o site Portal do Trânsito, o diretor-geral do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into) do Ministério da Saúde, João Antônio Matheus Guimarães, alerta que o uso do celular, no entanto, é a atividade mais perigosa, pois diminui os reflexos do motorista.

De acordo com uma pesquisa divulgada pela Universidade de Utah, nos Estados Unidos, checar o celular toda hora aumenta em 400% o risco de acidente. No Brasil, a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia realizou uma enquete no Rio de Janeiro e em São Paulo que atestou que 84% dos motoristas têm o hábito de dirigir e falar ao celular, embora todos estejam conscientes de que esse é um comportamento perigoso.

Usar fone de ouvido ou dispositivos de alto falante no carro são igualmente prejudiciais, de acordo com alguns especialistas, pois também tiram parte da atenção do motorista. A lei que considera usar celular ao volante uma infração de gravidade média é de 1995, quando os celulares no Brasil eram pouco mais de 4 milhões. Hoje, chegam a 265 milhões.

Para os pedestres também há risco de acidentes associados ao uso do celular. A distração pode fazer com que atravessem sem olhar para os dois lados e não estejam atentos se o sinal está vermelho para os carros, aumentando o risco de atropelamentos.

A responsabilidade pela segurança no trânsito deve ser de todos. Motoristas e pedestres devem colocar a sua segurança sempre em primeiro lugar. O ideal é que, caso o uso do aparelho celular seja urgente, o motorista encoste o carro e o pedestre pare em algum lugar seguro na calçada, realize a atividade e, depois, siga o seu caminho com atenção.

Confira nossos vídeos explicativos sobre os riscos de usar o celular no trânsito:

video

fonte: viverseguronotransito.com.br

Você sabe o que é BEM?

DNIT divulga o Boletim Eletrônico de Medição - BEM

HIPERLINK DE ACESSO AO BEM.jpg

Cidadãos poderão acompanhar pela internet as medições mensais das Obras de Engenharia contratadas pela autarquia por intermédio do Boletim Eletrônico de Medição - BEM. Inicialmente, serão publicados 107 BEMs referentes a 107 obras prioritárias do PAC - Programa de Aceleração do Crescimento.

O BEM é um projeto inovador que tem o intuito de dar agilidade e total transparência ao processo de medição das obras de engenharia executadas pelas empresas contratadas.

Confira aqui a cartilha do BEM e entenda mais sobre o programa.

Clique aqui e entenda a nomenclatura utilizada nas medições.

fonte: gestao.dnit.gov.br

Varas especializadas em crimes de trânsito


A Comissão de Educação aprovou no último dia 5 o Projeto de Lei 7028/13, que cria varas especializadas para julgar crimes de trânsito com o objetivo de coibir a violência nas estradas. A criação dessas varas especializadas deverá ser obrigatória apenas para cidades com mais de 500 mil habitantes.
A proposta, de autoria do deputado João Caldas (SD-AL), também prevê a inclusão da disciplina “Educação para o trânsito” no currículo do ensino fundamental. Mas, por sugestão da relatora, deputada Keiko Ota (PSB-SP), a comissão excluiu esse dispositivo da proposta.

Keiko Ota argumentou que a educação para o trânsito já é componente curricular da educação brasileira e a determinação legal é que a temática seja tratada de forma interdisciplinar e não na forma de disciplina obrigatória.
A relatora também explicou que a Comissão de Educação tem procurado restringir a inclusão de novas disciplinas nos currículos escolares porque esta é uma competência do Ministério da Educação com o auxílio do Conselho Nacional de Educação.
João Caldas, no entanto, continua defendendo a inclusão de uma disciplina exclusiva para educação no trânsito nos currículos escolares.
Tramitação
A proposta ainda será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

fonte: camara.leg.br

Bafômetro obrigatório em veículos de carga e de passageiros


A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio rejeitou nesta quarta-feira (12) o Projeto de Lei 4394/12, do deputado Manato (SD-ES), que obriga empresas que possuem frota de veículos (caminhões, ônibus e vans, táxis e transporte escolar) a instalar equipamento que impeça a partida do veículo se o exame acusar embriaguez no organismo do motorista.
Gabriela Korossy
Deputado Antonio Balhmann (PROS-CE)
Balhmann: a medida não é eficaz. Em frotas grandes, as empresas teriam dificuldade para controlar quem realizou o teste.
O relator do projeto, deputado Antonio Balhmann (Pros-CE), apresentou parecer pela rejeição, que foi aprovado pela comissão. Segundo ele, a medida não é eficaz porque em frotas muito grandes – como de transporte de pessoas e de mercadorias –, as empresas teriam dificuldade para controlar quem realizou o teste. Além disso, sem um controle estrito, os motoristas poderiam facilmente fraudar o teste.

Obrigação do Estado 
Ele disse também que a proposta transfere para a iniciativa privada uma obrigação que é do Estado. Para Balhmann, existem estratégias mais eficazes para combater o álcool no trânsito, como o controle da publicidade e da venda de bebidas, e blitze nas cidades e rodovias.

O aparelho que o deputado Manato pretende ver instalado nos automóveis de frota do País já está em uso em alguns países. Uma das versões do equipamento, que é instalado no painel do veículo, bloqueia a partida caso seja detectada a presença de álcool no hálito do condutor.
Tramitação
O PL 4394 tramita em caráter conclusivo e ainda será analisado pelas comissões de Viação e Transportes; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

fonte: camara.gov.

Roubo de carga: regulamentação da lei


De acordo com assessor de segurança da NTC&Logística, foram registrados 15,2 mil casos desse crime no País em 2013. Cargas mais visadas são eletrônicos e produtos farmacêuticos.

Especialistas em segurança e representantes do setor de transportes cobraram do Congresso e do governo federal urgência na regulamentação da Lei Complementar 121/06 para facilitar o combate ao roubo (ação armada) e ao furto de cargas no País.
Eles sustentaram, em audiência pública na Comissão de Viação e Transportes, que a regulamentação da norma permitiria a efetiva criação do Sistema Nacional de Prevenção, Fiscalização e Repressão ao Furto e Roubo de Veículos e Cargas, até hoje só existente no papel. O principal benefício é reunir todas as informações relacionadas a esses crimes em um único banco de dados.
“Se os [poderes] Executivos não têm bancos de dados em sinergia, ainda que a gente avance aqui no Congresso em outros pontos da legislação, sempre haverá um vazio”, disse o deputado Paulão (PT-AL), criticando a falta de integração entre as informações das polícias estaduais e federais.
De acordo com o assessor de segurança da NTC&Logística, Coronel Paulo Roberto de Souza, a realidade atual é preocupante. “Em 2013, foram registrados 15,2 mil casos de roubos de cargas no País, sendo a maior concentração em São Paulo (51%) e no Rio de Janeiro (23,3%)”. Segundo Souza, as cargas mais visadas são eletrônicos e produtos farmacêuticos.
Diante da gravidade do cenário, que teria somado prejuízos de mais de R$ 1 bilhão no ano passado, os deputados Diego Andrade (PSD-MG) e Vanderlei Macris (PSDB-SP) criticaram a ausência do ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, na reunião proposta pelo deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP).
video

“A ausência do ministro mostra bem a importância que o governo dá a essa questão. Ele nem sequer deu satisfação para não aceitar o convite da comissão”, ironizou Macris, que chegou a propor a convocação de Mercadante na comissão, mas foi convencido por Faria de Sá que seria difícil alcançar quórum para aprovar o pedido. O deputado Diego Andrade, por sua vez, decidiu encaminhar por meio do colegiado um ofício para que o ministro tome ciência do que foi discutido.
Receptação
Durante a audiência, o delegado de Polícia do Estado de São Paulo, Renato Marcos Porto, destacou outras alterações importantes na legislação, como o aumento de penas para os crimes de roubo e receptação e ações integradas dos órgãos de segurança pública.

“Enquanto houver quem compre, haverá quem roube”, argumentou Porto, explicando que atualmente a pena para receptação é de até 4 anos, passível de liberdade por meio de fiança. O delegado propôs inclusão da alteração na Reforma do Código Penal (PLS 236/12), em discussão no Congresso.
Já o chefe da Divisão de Combate a Crimes Contra o Patrimônio da Polícia Federal (PF), Luis Flávio Zampronha, destacou o alto índice de impunidade desses crimes e afirmou que, apesar de a PF ter competência para em crimes em que há repercussão interestadual, o órgão vem focando em quadrilhas com maior potencial ofensivo, devido à sua estrutura reduzida e à dificuldade de dados atualizados sobre as ocorrências.
Zampronha ainda considerou importante tratar os crimes de roubo e furto de cargas também sob o ponto de vista do sistema tributário. “Na Europa, praticamente não existe roubo de carga, porque lá é muito difícil uma empresa internalizar no seu estoque produtos de procedência duvidosa”, comentou.
fonte: camara.gov.br

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Como funciona o transporte público - Episódio 1 RESPONSABILIDADES


Campanha da NTU sobre como funciona o transporte público. 

Esse episódio aborda o tema "RESPONSABILIDADES". 


video

fonte: ntu.org.br

Como funciona o transporte público - Episódio 2 CUSTOS


Campanha da NTU sobre como funciona o transporte público. 

Esse episódio aborda o tema "CUSTOS". 

video

fonte: ntu.org.br

Como funciona o transporte público - Episódio 3 TARIFAS


Campanha da NTU sobre como funciona o transporte público. 

Esse episódio aborda o tema "TARIFAS.". 

video

fonte: ntu.org.br

Itens de segurança veicular - DENATRAN

Veja a evolução das exigências de itens de segurança veicular no Brasil pelo DENATRAN.

video

fonte: denatran.gov.br

Para refletirmos sobre nossos comportamentos.

Bom dia leitores.

video

fonte: youtube.com

terça-feira, 4 de novembro de 2014

ANTT realiza fiscalização de transporte de produtos perigosos


A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) divulga balanço da operação, realizada na semana passada, com o objetivo de fiscalizar o transporte de produtos perigosos no Rio de Janeiro. A ação, que contou também com a parceria da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e do Instituto Estadual do Ambiente (INEA), ocorreu no km 250 da Via Dutra (BR-116/RJ/SP), no distrito de Arrozal, em Piraí/RJ.

A iniciativa contabilizou 18 veículos fiscalizados. A ANTT fez 25 autuações referentes ao transporte rodoviário de produtos perigosos. A falta de equipamentos de segurança foi a principal irregularidade encontrada.

De acordo com a fiscal da ANTT Caroline Decembrino, “as ações de fiscalização são constantes e têm sido intensificadas para garantir que esse tipo de transporte seja realizado com maior segurança e dentro das regras estabelecidas pela agência”.
fonte: antt.gov.br

Mobilidade sustentável para um Brasil competitivo

A crise de mobilidade urbana que assola as cidades brasileiras tem comprometido a competitividade dos principais setores econômicos e, consequentemente, o desenvolvimento do país. 

O que seu município tem feito para melhorar a mobilidade urbana?

video

fonte: ntu.org.br

Transporte público urbano: como atender as demandas sociais?

Veja esta pesquisa da NTU sobre possíveis soluções para o transporte Público no Brasil.

video

fonte: ntu.org.br

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Construção de nova ponte na BR-287/RS vai começar em novembro

Contratação emergencial agiliza a construção da travessia sobre a várzea do rio Toropi após a queda da antiga ponte
Construção de nova ponte na BR-287/RS vai começar em novembro
O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) vai decretar emergência para agilizar a construção de nova ponte sobre a várzea do Rio Toropi, no km 313,5 da BR-287. A ponte do local desabou nesta quinta-feira (30/10), com as fortes chuvas. Ela estava bloqueada há alguns dias, após vistoria da Autarquia que identificou danos graves em dois pilares, comprometendo toda a estrutura. 

O órgão está encaminhando solicitação de orçamento para empresas que atuam no Rio Grande do Sul e especializadas em obras de arte especiais. O prazo para a apresentação das propostas de valores será até o final da próxima semana. A expectativa da autarquia é de que a contratação da obra aconteça ainda no mês de novembro, com início imediato dos serviços.

Segundo a Superintendência Regional do DNIT no Rio Grande do Sul a demolição do resto da ponte que desabou e a construção da nova travessia serão realizados pela mesma empresa. Sete meses é o prazo estimado para a construção da nova ponte.

No momento aquele trecho da BR-287 entre os municípios São Pedro do Sul e Mata está totalmente interditado. Uma rota alternativa - com 300 metros de extensão ao lado da estrutura antiga - deve ser liberada em 15 dias. A empresa responsável pela manutenção da rodovia executa o desvio que será totalmente asfaltado oferecendo segurança aos cerca de 5 mil veículos que trafegam diariamente no local. 
fonte: dnit.gov.br

Projeto cria regras para transporte de grãos em carrocerias


Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 7876/14, do deputado Edmar Arruda (PSC-PR), que fixa regras para o transporte de sólido a granel em veículos com carrocerias abertas.
Pelo texto, o transporte de mercadorias como grãos, adubo e areia em vias abertas à circulação pública só será permitido em veículos com carroçarias abertas que tenham guardas laterais fechadas, impedindo a perda do material.
Além disso, as cargas transportadas deverão estar totalmente cobertas por lonas ou dispositivos similares, que deverão cumprir alguns requisitos: cobrir totalmente a carga transportada de forma eficaz e segura, e estar em bom estado de conservação, dentre outros.
Gustavo Lima
Dep. Edmar Arruda
Edmar Arruda: perdas de grãos no Brasil chegam a quase R$ 3 bilhões por safra.
“As perdas de grãos no Brasil são enormes, chega-se a quase R$ 3 bilhões a cada safra, de acordo com dados da Confederação Nacional da Agricultura”, afirmou Edmar Arruda.
Para ele, a cobertura adequada das carrocerias também protegerá os demais condutores, evitando-se acidentes devido ao derramamento de carga.
“Além disso, o atropelamento de animais e aves silvestres deve ser levado em conta, uma vez que estes se alimentam dos grãos caídos nas rodovias brasileiras”, acrescentou o deputado. O projeto modifica o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97).
Tramitação
A proposta tramita apensada ao PL 3635/08, que trata do mesmo assunto, e aguarda análise conclusiva da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.


Acompanhe a proposta na Íntegra:
fonte: camara.leg.br

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Serviço de Mototaxi e Motoboy para os herdeiros



Arquivo/ Saulo Cruz
Domingos Dutra
Domingos Dutra quer igualar categoria aos motoristas de táxi, que já têm o direito.
O Projeto de Lei 7495/14, em análise na Câmara dos Deputados, autoriza mototaxistas e motoboys a transferir o direito de exploração do serviço para seus herdeiros ou vender suas permissões.
O autor, deputado Domingos Dutra (SD-MA), argumenta que a categoria deve receber o mesmo tratamento dos taxistas. Por meio da Lei 12.865/13, motoristas de táxi obtiveram o direito de deixar o direito de exploração do serviço a seus sucessores.
Conforme a proposta de Dutra, as transferências obedecerão o prazo da outorga e serão condicionadas à prévia autorização da prefeitura. O sucessor também terá de atender os requisitos exigidos para a outorga.
Domingos Dutra afirma que, atualmente, a categoria de mototaxistas e motoboys reúne mais de 6 milhões de profissionais. “A sociedade já decidiu pela importância de tais profissionais, como mostra a alta demanda por esses serviços em todo o país”, afirma.
Tramitação
O projeto terá análise conclusiva das comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição, Justiça e de Cidadania.

Acompanhe a proposta na Íntegra:

fonte:camara.leg.br